segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

o complexo da modernidade

Queridos leitores, por motivos de problemas com esta tecnologia de ponta estou nesse momento pesquisando o melhor laptop  para melhor atender-nos.. Portanto, agradeço a todos pela compreensão!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Matéria Especial: Wall Mart inovando na Pensilvânia com a venda de vinhos em vending machines

(Resumo da matéria extraída da seção: Novidades do Newsletter: Adega Online, de 13/ 12/2010)



Wall Mart dos EUA vendendo vinhos em "máquina de refrigerante


Nas unidades da Pensilvânia, EUA, a Wal Mart resolveu inovar para vender vinhos de uma forma mais prática e conveniente, para aquele cliente que aprecia comprar com o propósito de degustar numa ocasião próxima e o encontro pede um vinho numa condição tão oportuna.



As tão conhecidas "vending machines", que se popularizaram através das máguinas de refrigerantes ou que servem no Brasil também para vender livros, salgadinhos e outros produtos diversos, agora irão apostar a sua funcionalidade na venda de vinhos.

Apesar da aprovação pelo Conselho de Controle de Liquor da Pensilvânia, esta evolução já carrega consigo uma constatação que está causando polêmica; trata-se de uma inovação de forte apelo que pode colaborar para o aumento do consumo de álcool por menores de idade.



sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Arte em todos os sentidos

Final de ano, novidades pairando no ar, posto aqui portanto os últimos desenvolvimentos da Atmosfera Sentido da Arte, que em parceria a este blog, gosta de mostrar as criatividades a cada lançamento!

No link : http://atmosferasentidodaarte.blogspot.com você acompanha passo a passo as artes personalizadas.

(Encomendas são possíveis no email do site e também para consultas sobre desconto mediante quantidades mais expressivas)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Matéria Especial sobre avaliação dos espumantes nacionais

Uma agradável e importante notícia para os vinhedos do Sul, na esfera borbulhante.

Marcelo Copelo esteve em Bento Gonçalves na companhia de Charles Metcalfe, Presidente do Internacional Wine Challenge, maior concurso de vinhos do Mundo para avaliar muitos espumantes brasileiros produzidos na Serra Gaúcha.

Nesta avaliação eles tiveram opiniões positivas acerca de produtores que estão buscando incessantemente alcançar uma posição de destaque e assim chamar atenção para os rótulos nacionais também para o próprio mercado local.

Como  Marcelo Copelo disse na matéria, ainda não existem obras de arte mas ainda sim Metcalfe visualiza um grande potencial da Indústria, para atender a demanda local quanto a nivel de exportação.

Avaliaram outrossim que ocorrências como a  ação da levedura Brettanomyces (fungo que ataca os vinhos durante o processo de fermentação causando odores desagradáveis), o excesso de madeira, rendimentos altos nas videiras entre outros ainda precisam ser analisados por alguns produtores para se atingir assim o status de qualidade para o vinho nacional.

Segundo a avaliação dos dois: "provamos juntos 33 espumantes e o resultado foi muito positivo. Dos 33, 22 foram considerados bons (85-87 pontos), muito bons (88-89) ou excelentes (acima de 90 pontos).

Matéria do site Enoeventos: "Passaporte para o Espumante Brasileiro"

Para saber da matéria na íntegra, basta acessar o site Enoeventos.

Sessão Revivals

Por motivos técnicos o Atmosfera Sentidos do Vinho esteve temporariamente sem atualizações, então escolhi reviver vídeos que fizemos  e que continuam up to date - atuais - bem como os vinhos apresentados e que são sempre bem vindos.


Momento Atmosfera - Ep.4/ Fausto Pizzato Merlot from Estudio Six on Vimeo.



Villa Montes Cabernet Sauvignon 2008 from Estudio Six on Vimeo.



Petite Fleur 2007 from Estudio Six on Vimeo.


Recomendamos dar uma "Pausa" no ipod para escutar com propriedade todos os vídeos!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Nossos contatos

atmosferarep@gmail.com

Através deste email você conta com informações comerciais ou de marketing, e se tiver interesse em conhecer de perto nossos produtos ou falar conosco sobre consultorias em degustações harmonizadas, estamos presentes na loja, localizada no Centro Comercial Itaparica Center, na Av. Santa Leopoldina, 1031, loja 23 no Bairro Coqueiral de Itaparica em Vila Velha/ES.

Os serviços da Atmosfera estão também sendo apresentados em São Paulo, capital.
Serviços do vinho e desenvolvimentos de arte personalizada (caixas porta vinhos, etc), são contatados pelo email e também pelo celular.


Marque presença através dos telefones: +55 (11) 8752.3968 / +55 (27) 3242.2188 / +55 (27) 9233.2586

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Matéria em dupla! Vinho Finca Los Alijares e Lançamento das Caixas Decoradas da Atmosfera!!









Finca Los Alijares

Sobre o Produtor


Numa zona privilegiada, protegida pela grandiosa Serra de Gredos, na província de Toledo (Espanha), uma vinícola se une ao vinhedo no horizonte: é Finca los Alijares


Finca los Alijares foi fundada no ano 2005, por José Luís Pérez Agudo, terceira geração de duas das famílias produtora de vinho mais importantes da região

Trata-se de uma vinícola nova, tendo iniciado suas atividades em 2005, produz vinhos orgânicos e tem como volume anual apenas 250 mil garrafas.


Finca los Alijares garante que o cultivo do seu vinhedo desde sua origem foi feito respeitando os princípios da agricultura ecológica. Para sua plantação foram selecionadas uma porção de terra virgem excepcional. Os procedimentos de cultivo em espaldera utilizados foram desenvolvidos de forma íntegra pela equipe da vinícola, reduzindo ao máximo a compactação dos cachos, o que facilita a ventilação e a captação do sol e permite uma maduração homogênea e pausada.


Para preservar a pureza da terra, na Finca los Alijares se utilizam somente adubos orgânicos de procedência vegetal.


Sobre o Terroir


A raiz dos  vinhos Alijares

Situada numa zona geográfica sem comparação, que goza de características de clima e solo excepcionais para o cultivo da uva e protegida dos ventos do norte pelas Serras de Guadarrama e de Gredos, Finca los Alijares desfruta de um clima mediterrâneo com influencia atlântica, verões secos com oscilações de temperatura entre o dia e a noite, sobretudo no período de maduração da uva.

Dados Organolépticos

 Finca los Alijares Varietal


País/Região: Espanha /Toledo

Uva: Graciano 100%

Visual: Violáceo de alta concentração, sem halo.

Olfato: Aroma limpo, boa intensidade e frutado: frutas negras, cerejas, violetas, ervas de tempero, toque mineral, e tabaco.
.Madeira em equilíbrio.

Gustativo: Frescor em boca, bom corpo. Ótima acidez, taninos firmes e doces, corpo e persistência longa e retrogosto frutado e com toque de ervas confirmando o olfativo também. Boa evolução na garrafa.

Preço: R$ 49,80

Grad. Alc: 14%

Harmonização: Muito versátil gastronomicamente.






  

sábado, 20 de novembro de 2010

Eugenio Almeida, o Branco da vez

Mais uma opção para esses dias de muito calor, principalmente num final de semana que apetece um prato rico em frutos do mar, para tornar o nosso dia de descanso mais prazeiroso..

Eugênio Almeida 2009

Produtor:

Sobre o Produtor




A produção obtida nas vinhas é vinificada num local histórico e sagrado, a Adega da Cartuxa, situada na Quinta de Valbom em Évora. A adega está instalada num edifício que pertenceu à Companhia de Jesus em 1580 e que na época era a sua casa de repouso. Com a expulsão dos jesuítas de Portugal pelo Marquês de Pombal, este edifício foi integrado aos Bens Nacionais em 1755.



Em 1869 o edifício foi vendido em haste pública e adquirido por José Maria Eugénio de Almeida, avô do Eng. Vasco Maria Eugénio de Almeida.


Sempre com a preocupação do enquadramento arquitetônico num edifício muito rico em história, a Adega da Cartuxa passou por várias reformas e ampliações nos últimos anos. Hoje é uma das mais modernas e bem equipadas do Alentejo.

Toda cercada por vinhas e com uma charmosa loja de vinhos, a Adega da Cartuxa é visita obrigatória para todos os que se dirigem a Évora.

Eugenio Almeida 2009



Região: Alentejo/Portugal

Uvas: Antão Vaz, Perrum, Roupeiro

Visual: Amarelo Ouro

Olfato:  Aromático; ligeiras nuances de fruta (maçã verde).

Gustativo: Bom frescor, corpo médio e bom final em boca.Ótima persistência. Untuoso.

Harmonização: Chevice, Frutos do Mar, podendo ser acompanhado com massa. Risoto de    frutos do mar. Pratos de untuosidade leve a média.

Importador: Adega Alentejana

Preço: R$ 43,00


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Um Néctar dos Deuses

Para adoçar a sua vida  neste final de semana, aproveitando este calor que estamos sentindo nos últimos dias, posto aqui uma degustação que muito me agradou, não somente pelo delicioso vinho de sobremesa degustado como pelo prazer deste ser de ótima relação qualidade-preço!

Sobre o Produtor

Viña Tuniche é uma empresa familiar fundada em 1969, por Dom Gerardo Butrón Gómez, que procurando o melhor solo e clima para fazer vinhos de qualidade chegou ao Vale de Cachapoal a 80 Km ao sul de Santiago.


Tuniche Winery Late Harvest 2008


Pais/Região: Chile/ Cachapoal Valley

Produtor: Viña Tuniche

Visual: Amarelo ouro, límpido

Lágrimas: Rápidas e abundantes

Aroma: Frutado, com aromas de fruta em calda, e mel.
              Agradável persistência.
             
Gustativo: Untuoso, mas com a acidez em harmonia com o ácool presente.
                   Bom retro-olfato, de mel.
                
Harmonização: Doces, e queijos de pouca cura (gorgonzola, camembert com calda de geléia de fruta amarela)

Preço: R$ 27,80

Importador: Ana Import


quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O misterioso Alma Negra


Numa viagem a Argentina, deixar de adquirir um Alma Negra seria como um pecado a ser cometido com a convicção da culpa. E mesmo tendo esse "misterioso" em mãos, o drama de degustar ou não degustar não poderia deixar de permear as nossas mentes. Finalmente decidido que o período de 7 anos já era de bom tamanho para que finalmente as Almas Negras fossem libertadas desta garrafa escura, nebulosa, cheio de mistérios a serem descobertos, escolhemos uma cena de jantar emblemático e.. os detalhes serão segredos a não serem compartilhados!

A garrafa tem um diferencial que por si só já marca a sua presença, por ser pesada e escura. E esta garrafa é de número: 5.643..


Alma Negra segundo o site:

 "... De todos os encantos, o mais atraente para a alma é um mistério. Não há beleza sem um véu, e estamos sempre dispostos para o desconhecido. Existência insuportável seria se não estivéssemos sempre sonhando ... "


... E, como todos os mistérios, ALMANEGRA surgiu através dos sonhos. Não é um varietal ... não é sempre o mesmo vinho Porque não é de um único vinhedo e não é feito por uma única mão. Assim como o mistério que está por trás da máscara eo jogo sensual de descobrir isso, acreditamos que sempre existiu ALMANEGRA. Como voltar à nossa origem única e irrepetível ... Este grande vinho, então, realiza na sua alma negra, sua alma profunda e negra, todos os segredos da sua essência, os segredos que só podem ser descobertos no último copo ...

ALMANEGRA Iniciou com a colheita de 2003, com apenas onze pequenos barris. Desde então, nas mãos de diferentes vins de Créateur ajudaram a criá-lo.

Região: Argentina (Valle de Uco, Agrelo, Consulta e Rivadavia Vistaflores e de produtores parceiros)


Produtor: Tikal/ Ernesto Catena

Safra: 2003

Uvas: Bornarda e Malbec (blend de proporções não reveladas)

Vinificação: Vinificação tradicional, com controle de temperatura. Malolática completa.


Maturação: Maturado em barricas de carvalho.

Detalhe: Apenas 11 barricas.

Preço: R$ 65,00

Dados Técnicos (Básicos)
 
 
Visual: Rubi profundo, escuro
 
Olfato: Misterioso, "exuberante e exótico". aromas blend; aromas secundários: cera de abelha, verniz (frutos da fermentação) e terciários: ameixa seca, madeira, especiarias .. (afinamento)
 
Gustativo: Calda de frutas. Bom corpo, macio. 
 
Grad.Álcoolica: (aprox.) 13 a 14%
 
Sugestão de guarda: 5 a 10 anos
 
Harmonização: Carnes elaboradas, massas com molho encorpado.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


domingo, 7 de novembro de 2010

Que tal começar a falar de Montes?

Bom, sempre que ouvimos falar de Montes normalmente é sobre os consagrados: Montes Classic, o Montes Folly ou até mesmo sobre o Montes Purple Angel.. Nada mais natural ..não é mesmo?

Mas vamos começar pelo básico.. queremos dar também uma especial atenção para aqueles rótulos-básicos dos grandes Produtores, que nada mais são do que os vinhos expedientes, do nosso dia-a-dia.





Villa Montes 2008


 Região: Vale do Colchagua (Vale do Rapel) /Chile

Uva: Cabernet Sauvignon

Vinhedos:  Vinhedos localizados no vale de colchagua (no vale Rapel).
Clima sub-úmido tipo mediterrâneo. Rendimento controlado.

Vinificação:  Em cuba de aço inoxidável com controle das temperaturas. Fermentação malolática completa.

Maturação: Filtrado antes de engarrafado. Fermentação maloláctica completa.Madeira: Não passa por barricas de carvalho.

Dados organolépticos: 


Visual: Púrpura de média intensidade com reflexos violáceos, brilhante.
Lágrimas presentes na taça: de pouca densidade, as lágrimas estão média para finas.

Aroma: Frutado intenso, frutas vermelhas, com aromas vegetais: de ervas, folha de tabaco, húmus. Uma persistência aromática de grau “6”.

Gustativo:Frutas vermelhas, Certo amargor.
Sensação táctil: calor em boca. acidez média. Perceptível em taninos.

Sugestão de consumo: Pronto para beber

Grad..Álc: 14 graus

Harmonização: Massas com molhos ou carnes assadas de certa suculência.

..........................................

Preço: R$ 28,00

Importador: Mistral

 Prestigiosos da Viña Montes

Para não desconsiderar alguns dos prestígiosos da Viña Montes aqui nesse post, cito as definições do comentarista Jackson da Qvinho.com.br sobre estes tão comentados rótulos :   “A Montes Alpha M tem um perfil mais clássico, O Montes Alpha M seria a elegância, enquanto o Montes Folly exuberância e o Montes Purple Angel misterioso e exótico.”



quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Petite Fleur 2007

Tudo começou com uma viagem a Bueno Aires...

A vida é feita de momentos. E mais uma vez o vinho tem o prazer de nos acompanhar por  todo este cenário! Tive o prazer de degustar o Clos de Los Siete num gostoso lugar, o bar restaurante Gran Bar Danzón, que fica na divisa entre a Recoleta e Barrio Norte (que serve ótimos vinhos em taça a partir de 5 pesos (Libertad, 1161, entre Santa Fé e Arenales). O astral do lugar: visual estilo lounge e com  mesas sob diferentes propostas e disposições, um toque sedutor na iluminação e no som deram um toque a mais quando degustávamos o 'Clos..
No dia seguinte obviamente quis adquirir outro belo  rótulo que também faz parte do projeto de Michel Rolland na Argentina.


Antes de saber mais sobre o Petit Fleur, assistam este vídeo para apetecer ainda mais!


Petite Fleur 2007 from Estudio Six on Vimeo.

Sobre O Produtor

Uma das melhores bodegas da Argentina, a Monteviejo está localizada no Vale de Uco É especialista em Malbec. Monteviejo é um consórcio de 7 produtores, que tem como ideal a vinificação francesa, bordalês.
O projeto é liderado por Michel Rolland. O vinho apresentado aqui faz parte também do projeto do interessante Clos de Los Siete. De coordenação por  Catherine Péré-Vergé, proprietária do Chateau Le Gay de Pomerol.
Catherine Péré- Vergé, proprietária do Chateau Le Gay de Pomerol, também está a frente  da Monteviejo.


Dados Técnicos

Vinho: Petite Fleur

Safra: 2007

Região:  Valle de Uco - Mendoza

Vinhedo: 5.500 plantas por hectare

Solo: cascalhoso no subsolo

Vinificação: Maceração em tanques de inox, durante 30 dias com remontage-pigeage manual.

Madeira: Barricas durante 12 meses, 30% do vinho passa por barricas novas.

Uvas: Malbec 50%, Cabernet Sauvignon 30%, Merlot 10%, Syrah 10%

Visual: Cor púrpura profunda. Brilhante.
Lágrimas persistentes, boa densidade.

Aroma: Aroma frutado elegante e condimentado.Toque de violeta e baunilha. Boa persistência aromática.

Palato:  Taninos macios e sabor redondo.
Retrolfato bom.Boa complexidade. "O vinho vai se abrindo em taça".

Grad. Alcoólica: 14,5%


Preço: R$ 87,00

Importadora: Gran Cru



terça-feira, 2 de novembro de 2010

Newen Pinot Noir. Para um gostoso jantar, sem grandes pretensões

Nesta matéria falaremos sobre um produtor da região da Patagônia em que a uva em questão é a Pinot Noir, segundo muitos, trata-se de uma das uvas melhor cultivadas na Patagônia.

Antes, um vídeo com a estrela da vez, a Pinot Noir da Vinicola Neuquén!! Confira o making off desta descontraída harmonização.



Newen Pinot Noir from Estudio Six on Vimeo.




 Sobre O produtor

A Patagônia localiza-se ao sul da Argentina. As regiões que têm se destacado bastante nos últimos anos, estão  dividas em 3 áreas: Vale do Rio Negro, Vale do Rio Colorado e Neuquén. A Patagônia possui um clima favorável (dias quentes e noites frias), solo pedregoso e fluvial, poucas chuvas e baixa umidade, garantindo ótimas condições para o cultivo de uvas, com destaque para a Pinot Noir.

Bodega Del Fin del Mundo, foi o primeiro empreendimento inaugurado em Neuquén, no ano de 1999. Desde então, a Bodega Del fin Del Mundo obteve inúmeros reconhecimentos em função da qualidade de seus rótulos e colocou os vinhos da Patagônia no cenário internacional, exportando para mais de 30 países. Hoje, a vinícola trabalha com cerca de 10 linhas de rótulos que incluem os mais diversos varietais, com destaque para a Malbec, a Cabernet Sauvignon, a Pinot Noir e a Chardonnay.

Os bons resultados dos últimos anos é fruto de um investimento na assessoria técnica do consultor Michel Rolland, numa parceria iniciada em 2004, e da equipe de profissionais lidera pelo enólogo Marcelo Miras
Destaque também para os vinhos Postales del Fin del Mundo, também mais um empreendimento da Bodegas del Fin del Mundo, que têm apresentado um  interessante custo-benefício.


Vinho: Newen Pinot Noir
Região: Patagônia/Chile
Safra: 2009



Dados Organolépticos



Madeira: 6 meses de envelhecimento em barris de carvalho francês e americano

Visual: Vermelho rubi brilhante

Aroma: Notas de cereja e caramelo com notas de coco e baunilha.

Palato: Suficientemente tânico. Frutado com a sensação “quente” do álcool quando presente na boca.

Teor Alcoólico: 13,7 Vol

Harmonização: Massas leves, carne vermelhas e de frango com leves condimentos.

Preço: R$ 29,90

Importador: Mr Man



sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Altos Las Hormigas

 O Produtor e sua obra

A vinícola Altos Las Hormigas foi criada em meados da década de 90, a partir da compra de uma propriedade em Luján de Cuyo pelo conhecido enólogo italiano Alberto Antonini – que já prestou consultoria para a Concha y Toro, Bodegas Nieto Senetiner, entre outros - e o empresário Antonio Morescalchi. Pouco depois, o negócio ganhou novos sócios, entre eles outro enólogo italiano, Attilio Pagli, e a empresa começou a conquistar seu espaço.

Ele foi indicado para a lista dos "100 Melhores Vinhos do Mundo" da Wine Spectator por diversos anos consecutivos e também é descrito como "soberbo" por Robert Parker.

Sempre recomendado para uma seleção de um restaurante para a formulação da Carta, pois pode agradar aos clientes interessados em "best-values", sendo portanto um vinho que não desagrada pois possui qualidade e bom preço, valores interessantes para qualquer dia da semana e adequado também pela versatilidade nas harmonizações.

Alto Las Hormigas




Região: Vinhedos da região da Consulta, Vale de Uco/Mendoza

Uvas: 100% Malbec (50% das uvas são de vinhedos próprios (aproximadamente 10 anos) e 50% das uvas são compradas de outras bodegas com contrato de qualidade.

Detalhe da Vinificação: A fermentação/maceração acontece por 15 dias com uma opreração de "remontage" diária. Maturação: Somente uma parte do mosto fica em barrica de carvalho por 9 meses. O vinho não é filtrado antes de ser engarrafado.

Safra: 2009

Dados Organolépticos

Visual:
Límpido, não tem transparência- certa opacidade, brilhante.
Coloração Rubi intenso e profundo com toques violáceos.

Aroma:
Aroma franco, sem defeitos.Aromas intensos, fragrantes de fruta. Notas de flores. Notas empireumáticas, como o tostado.

Palato:
Corpo médio a encorpado, nível baixo de taninos. Trata-se de um vinho sapiente, que                    promove  a  salivação, devido a boa presença de acidez, em equilíbrio. Frescor e volume em boca ao     mesmo tempo. Presença de álcool em equilíbrio. Persistência em boca "6".

Teor Alcoólico: 14,6% Vol

Harmonização:
Uma boa pizza untuosa, encrementada, bem como massas e uma carne 
macia, untuosa.
Preço: R$ 38,00

Importador: Mistral












sábado, 23 de outubro de 2010

Antawara 2009, um belo corte




Dia desses degustei o vinho: Antawara 2009, vinho este que chamou a atenção, pois para mim se tratava de um blend de uvas delicioso e que continha no corte uma  que estou conhecendo aos poucos, a Carignan.

Realmente apreciei o vinho por apresentar este belo corte.  Lendo uma nota do Marcelo Copello sobre o Antawara Syrah-Carignan blend 2009 (http://www.marcelocopello.com/), a minha avaliação precoce só se confirmou!




Sobre O Produtor
(segundo a importadora Vinissimo)

“Ao utilizar práticas ecológicas e sustentáveis, esta jovem bodega, com vinhedos em cinco diferentes vales, expressa como poucas as características dos terroirs chilenos e toda a tipicidade das castas”

Antawara é uma jovem bodega pertencente ao grupo Mosaïque Vinhos. O produtor investiu em modernos equipamentos de vinificação e na compra de barricas francesas e americanas, para a produção de suas duas linhas: Blend, composta de três tintos – mesclas de Cabernet Sauvignon / Carménère, Merlot / Cabernet Franc e Syrah / Carignan, com passagem por seis meses em barrica –, e a Antawara Valle Collection, com os excepcionais varietais Sauvignon Blanc, Cabernet Sauvignon, Carménère e Syrah.

Os vinhos tintos são fermentados em tanques de aço inoxidável e amadurecem durante doze meses em barricas de carvalho francês de primeiro e segundo usos.



Ecologia e Sustentabilidade

A vinícola foi engenhosamente concebida segundo critérios ecológicos e sustentáveis, que incluem o uso da gravidade para realizar a movimentação dos vinhos, geradores de baixo consumo para a economia de energia e um sistema de isolamento de calor e radiação externa que permite a redução de emissões de gases. Essas práticas possibilitam à Antawara produzir vinhos de alta qualidade e expressão, sem danos ao meio ambiente, e com toda a tipicidade das castas.







Antawara Blend Syrah – Carignan 2009

Produtor: Antawara

Região: Chile/ Vale Del Maule

Uvas: 80% Syrah/ 20% Carignan

Importadora: Vinissimo

Dados Organolépticos


 
Visual : Rubi profundo com reflexos violáceos, de pouca transparência, aparentemente jovem e de boa densidade (álcool).

Olfato: Aroma franco (sem defeitos) Aromas de frutas frescas e de flores (aroma perfumado proveniente da uva Carignan).

Gustativo: Trata-se de um vinho jovem, de persistência média para boa, de bom corpo, apresenta taninos aveludados mas também uma boa acidez. Dá a sensação de degustar um vinho que “explode” frutas. Presença de especiarias.
Harmonização: Carnes vermelhas, queijos tipo gouda e ementhal, massas com ragú de carne e cordeiro.

Preço: 40,00









segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Douro Boy e o Van Zeller Rosé

Cristiano Van Zeller, proprietário juntamente com a família Soares Franco, da Quinta do Vale Dona Maria e um dos integrantes do grupo de enólogos conhecido como Douro Boys.

Cristiano Van Zeller - Um "Douro Boy"



Van Zeller é um dos “Douro Boys”, grupo de cinco enólogos da nova geração que vem dando novos ares ao vinho português. Ele situa Portugal no mapa mundial de vinhos, mostrando que o país hoje é o 10º maior produtor do mundo e o 7º da Comunidade Européia.

Países como Estados Unidos, Argentina, Alemanha, África do Sul, Austrália e Chile estão na frente dos lusitanos, mas se percebe  que a qualidade do vinho português tem mostrado ótima média de qualidade.

O "Douro Boy" também cita as regiões vitivinícolas mais significativas do seu país, com destaque para a do Vinho Verde, Tejo, Lisboa, Douro (Porto), Alentejo, Bairrada, Dão, Península de Setúbal, Açores e Madeira.


Acrescento aqui que as produções de vinhos de mesa portugueses vem tendo mais espaço em Portugal ao contrário de tempos passados, para evitar a perda dos demais consumidores de vinhos, além dos destacados pelo consumo dos Vinhos do Porto. Neste novo panorama, a produção de vinhos de mesa no país se aprimorou radicalmente colaborando para promover as  uvas autóctones do Portugal para outros continentes.




Van Zellers Douro Rosé


Visual : De cor rosa intensa, lágrimas aparentes na taça.

Aroma: Vinho fresco vibrante, de grande concentração e aromas frutados, boa sapidez.

Palato: Frutas frescas vermelhas. Bom equilíbrio de acidez e açúcar/álcool.

Persistência retro-olfativa: Ótima e agradável persistência.

Grad. Alcoólico: 13,4%

Harmonização: Entradas de pães e patês, Pizza acompanhada de presunto parma, quiches leves, tortillhas.

Preço: Excelente custo benefício, na faixa dos R$ 30,00, disponível em várias casas especializadas.







sábado, 16 de outubro de 2010

Degustação - CONO SUR PINOT NOIR





O vinho chileno Cono Sur, vem sendo apontada como um grande achado em termos de custo-benefício. Como já sabemos, os rótulos de Pinot Noir sempre são de um teor "deveras salgado", por isso que quando encontro essas surpresas nas lojas especializadas entendo como sendo interessante ressaltar a novidade.
Vinícola Cono Sur
Fundada em 1993, a Cono Sur e é uma subsidiária da gigante Concha Y Toro e vem se destacando por investir na produção de vinhos orgânicos, resultado de um projeto iniciado em 1999.
Dados Organolépticos

Vinho: Cono Sur Pinot Noir 2008

Uva: 100% Pinot Noir

País/Região: Chile/Colchágua

Solo: Aluvial , pouco fértil

Clima: Noites frescas e manhãs enevoadas.

Vindima: Combinação de mecânica com manual, na data de 29 de março de 2008 


Visual:  Rubi límpido, leve transparência
                Presença de lágrimas medianas

Aroma: Intensamente aromático, aroma de frutas vermelhas. Frescor perceptível em nariz.

Gustativo:  Com acidez equilibrada, mostrando-se com uma sapidez interessante. Muito frutado mostrando traços de ameixa, geléia de morangos, cereja, groselha. Um leve toque de canela.Aromas que remetem também: cacau, tabaco e pimenta. Sem amargor no final, nota-se a presença do álcool, mas não chega a incomodar.
Presença de taninos em equilíbrio. Um vinho interessante para se harmonizar com variados pratos de leve a média estrutura.

Persistência retro-olfativa: boa

Madeira : 35% em barricas francesas e 65% em tanques de aço inoxidável.

Engarrafamento: Julho de 2008

Grau Alcoólico: 13,5 graus

Harmonização: Pizzas, Pratos com cogumelos, massas com molho pesto, entre outras possibilidades.

Preço: 32,00

Importador: Vila Porto Internacional Business

 Segundo o Produtor, sobre os rótulos do Cono Sur, "Bicycle":

"The Bicycle range carries the bicycle as its main icon; it symbolizes Cono Sur’s spirit of innovation, passion, commitment and respect for the environment, as well as its persistence in always finding the latest techniques in the vineyards and winemaking, in order to take care of the land where the grapes grow."



A Cono Sur é conhecida por ser uma das vanguardistas na produção de vinhos de uva Pinot Noir no Chile, salientando sempre buscar através de seus esforços o êxito dos vinhos Pinots na Borgonha.

 

domingo, 10 de outubro de 2010

O SERVIÇO DO CHAMPAGNE, Qual a melhor maneira?



posição inclinada no servir o espumante (foto AP /Estadão.com.br)

Lendo o site do Enoeventos encontrei essa matéria ("O SERVIÇO DO CHAMPAGNE, Qual a melhor maneira?") sobre o melhor serviço de servir um espumante, eu gostaria de dividir essa informação com vocês!


Segue a matéria na íntegra:

“Cientistas franceses descobriram o segredo de manter as borbulhas em uma taça de Champagne: sirva-a como se fosse cerveja, mantendo a taça inclinada e derramando o vinho cuidadosamente na lateral. O estudo revela que o espumante conserva as bolhas por mais tempo quando servido dessa maneira, em lugar da forma usual de derramá-la com a taça na vertical e esperar a espuma sentar para completar o nível.


Controvérsias

No entanto, Tom Stevenson, coordenador do painel de Champagnes do Decanter World Wine Awards diz: "Servir um Champagne como se fosse uma Lager é visto como cafona. Nem em um milhão de anos, você verá um sommelier servindo dessa forma. Servir da forma como é feita atualmente é melhor, já que permite que o CO2 escape da taça impedindo que as borbulhas cheguem a seu nariz."


Espumante na temperatura ideal

A pesquisa também descobriu que um Champagne servido a temperaturas mais baixas conserva melhor a espuma. A temperaturas mais altas, o dióxido de carbono se perde mais rapidamente. "O serviço à moda das cervejas tem muito menos impacto na dissolvição do CO2 do que o estilo usual, especialmente a baixas temperaturas (4-12°C). O primeiro método é muito menos agressivo do que o segundo", diz o estudo.

O relatório publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry foi conduzido por Gerard Liger-Belair, um professor da Universidade de Reims e autor do livro Uncorked: the Science of Champagne.”

Segundo comentários de alguns internautas que leram o artigo publicado na Enoeventos, um deles enriquece a matéria dizendo que “estudos recentes recomendam ainda que o Champagne deve ser armazenado de pé, tratando-se de uma tendência nova, mas que parece ter procedência. Desse modo, nem deitada em adega, nem em geladeira, o que implica no desenvolvimento de novo tipo espaço (provavelmente, de pé nas adegas maiores).”

Outro internauta complementa dizendo que leu um artigo que descreve sobre a perda de CO2, quando o serviço é realizado com a taça na vertical: “Retornando da Europa sábado, a bordo da Air France, lí um comentário sobre o assunto no "Le Figaro" de 21/8. O texto informa que em média existem 12g de CO2 por litro de champanha e a diferença entre as perdas é de mais de 1,5g quando a taça está na vertical. Mas a tradição manda servir com a taça na vertical...”

Independente de como você opte por servir na taça, vamos admitir que o espumante é o melhor vinho para harmonizações, devido a sua versatilidade e simpatia com diversos tipos de pratos e também por facilmente se integrar, celebrando  serelepe e borbulhante com as pessoas!!

Para isso, não deixem de fazer uma rica pesquisa sobre os rótulos de espumantes a se adquirir neste final de ano. Aproveitem para treinar antecipadamente essa forma de servi-lo para atingir a perfeição na sua bela ocasião de ano novo!!!

(http://www.enoeventos.com.br/201003/champagne/champagne.htm)












(http://www.enoeventos.com.br/201003/champagne/champagne.htm)

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Grandes Mulheres - Elisabeth Bollinger

Elisabeth Bollinger
 
Ativa, sorridente, com fama de anfitriã encantadora, Elisabeth Bollinger também era uma incansável mulher de negócios. Veio da família Lauriston e casou-se com Jacques Bollinger.

Diferentemente da jovem Nicole Barbe, (que posteriormente se torna a madame Ponsardin) Elisabeth”Lily” Bollinger tinha profundos conhecimentos sobre Champagne, despendendo vinte anos experimentando ao lado de seu marido.

Viúva aos 42 anos, ela comandou os destinos da vinícola da família do marido desde 1941, após a morte de seu marido e em plena Segunda Guerra, quando a França estava ocupada pelos nazistas, até 1977.


Bicicleta

 
Muitos indivíduos teriam vendido suas firmas, quando houve o racionamento da gasolina, mas “Lily” driblou esse problema se movimentando para os vinhedos com uma bicicleta.

A casa de Bollinger mesmo com uma excelente produção resistiu a um cuvée prestígio, insistindo que o seu ChampagneVintage já era o melhor vinho que poderia produzir.




Por último, no entanto, Madame Bollinger entrou no mercado super premium, em 1961. Ela não produziu uma mistura especial ou usou uma garrafa especial estilo Champagne Super Premium, como Moët & Chandon tinha feito quando da introdução de Dom Perignon, ou até mesmo repetido o estilo Veuve Clicquot, como esta fez ao lançar "La Grande Dame".

Bollinger RD




Em vez disso, ela escolheu a safra e selecionou uma pequena porção de seu champanhe vintage nas borras (a levedura morta a partir da fermentação secundária), por mais uma década para obter uma maior complexidade. Assim, sem mudar a mistura, nem a garrafa, ela criou 'Bollinger RD' como seu engarrafamento prestígio, abreviação do  disgorged (lembremos: disgorgement é a parte final do processo, inventado por Veuve Clicquot, que remove as leveduras mortas).

Blanc de Noir

 
Tradicionalmente o Champagne é produzido a partir de um corte de cerca de 30% de vinhos brancos originados a partir de uvas tintas, o rosé com corte de vinhos tintos, o blanc de blanc, apenas com uvas brancas e o blanc de noir elaborado apenas com uvas tintas.




“Lily’” criou um Champagne estilo blanc de noir chamado "Vieilles Vignes Francaises", causando frisson numa habitual produção de blancs de blancs em Champagne.



Tia Lily, como todos a chamavam, era excelente degustadora. Deu vida nova à maison Bollinger, fundada em Aÿ em 1829, principalmente com a abertura de outros mercados. Para aumentar o relacionamento comercial, visitava periodicamente os agentes que distribuíam seus produtos e clientes em todo o mundo. Não teve filhos, mas imprimiu a marca de sua personalidade à Bollinger, onde seu nome é lembrado até hoje com carinho. A propriedade pertence atualmente a seus sobrinhos.

Bollinger e sua aparição num cinema moderno

Em 2009 criou-se uma embalagem diferenciada a partir do sucesso de um personagem célebre - James Bond - e a sua predileção pelos Champanhes Bollinger. Na maioria dos seus episódios Bond era cenografado bebendo o famoso Champagne. A embalagem especial foi lançada durante o filme Quantum Of  Solace.
Foram produzidas 207 coolers, uma alusão a 200 + 7 unidades, homenagem a 007. Seu formato de bala, a famosa "Walther PPK", arma utilizada por James Bond em seus filmes.





sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Degustação Primavera - Alfredo Roca Pinot Noir

Resolvi dar uma pausa para as "Grandes mulheres", imaginei que elas podem tirar alguns dias de folga.

Num dia primaveril, de chove-e-faz-sol, escolhi um Alfredo Roca para combinar com algumas entradas peti-comite que fiz em casa para os amigos.

Coloco aqui minhas impressões sobre este Pinot Noir Argentino, que não se trata de um vinho da Borgonha  mas de qualquer forma é interessante e pode-se afirmar, custo-benefício.
Onde  se cultiva a uva Pinot Noir na região da Borgonha, França o terroir é  muito privilegiado e particular, se situa entre 250-350 mts acima do nível do mar, seu solo é formado por  argila e calcário, perfeito para o desenvolvimento de uma videira.

Em boca o Pinot Noir Francês é ainda mais fascinante. Especialistas remetem uma degustação de Pinots como uma busca na memória de boas coisas da infãncia. Aromas primários de morangos,temperos e textura sedosa, devem impressionar.

Mas vamos aterrisar (srs) pois agora falaremos deste exemplar argentino, que apresenta algumas caraterísticas da uva, mesmo que o nivel de acidez não seja tão destacado quanto comumente experienciado nos vinhos da Borgonha.


Alfredo Roca Pinot Noir



Visual: Rubi límpido, pequeno alo-aquoso.

Olfato: Aromas de frutas vermelhas frescas

Gustativo: Frutado, vinho seco. Morangos presentes, gostoso final em boca. Boa acidez, boa salivação.
Poucos taninos. O álcool prevalece um pouco, vinho de bom corpo, corpo leve.

Obs: Boa acidez, mas não o suficiente para equilibrar com o nível de álcool
         Leve amargor.

Safra: 2007

Região: San Rafael , Argentina

Importadora: Casa Flora